0 5 3

DIAS PARA O CARNAVAL!

GARANTA SEU
INGRESSO!

Acadêmicos do Tatuapé

Ficha técnica

Fundação: 26/10/1952

Cores oficiais: Azul e branco

Presidente: Eduardo dos Santos

Vice: Erivelto Gonçalves Coelho

Carnavalesco: Wagner Santos

Diretor de Bateria: Mestre Higor

Direção de Carnaval:  Eduardo Santos, Erivelto Coelho, Higor Silva, Antônio Carlos (Toninho), Edu Sambista

Diretores de Harmonia: Fabiana Lopes e Giba

Rainha de Bateria: Andrea Capitulino

Madrinha da Escola: Lecy Brandão

Enredo de 2018: "Maranhão. Os Tambores vão ecoar na terra da encantaria"

Intérprete: Celsinho Mody

Melhor colocação no Grupo Especial: 1 título (2017)

Texto Destaque

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos do Tatuapé foi fundado no dia 26 de outubro de 1952. Naquela época, eram famosas as rodas de samba na Praça da Sé e a batucada da Zona Leste era muito respeitada nesses encontros.
 
A escola conseguiu seu melhor resultado no Carnaval 2017, quando apresentou o enredo "Mãe África conta a sua história: do berço sagrado da humanidade à abençoada terra do grande Zimbábwe" e conquistou o título do Grupo Especial pela primeira vez na história.
 
A Acadêmicos do Tatuapé será a quinta escola a sambar no dia 9 de fevereiro. O enredo escolhido foi “Maranhão. Os Tambores vão ecoar na terra da encantaria”.

Nossa história

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos do Tatuapé nasceu no dia 26 de outubro de 1952, fundado por Osvaldo Vilaça, o Mala, e seus amigos. A escola tinha, nessa época, o nome de Unidos de Vila Santa Isabel, em referência e homenagem ao local onde foi fundada, a Vila Santa Isabel.
 
Em 1964, com a mudança da sede para a Rua Antônio de Barros, a escola passou a se chamar Acadêmicos do Tatuapé. Nesta época eram famosas as rodas de samba na Praça da Sé e a batucada da zona Leste era muito respeitada nesses encontros. Sua bateria, comandada por Mestre Sagui, apito de ouro do carnaval paulistano, era muito respeitada por sua cadência e criatividade.
 
Nos anos 1980 viveu uma fase de declínio, culminando em 1986 com a paralisação de suas atividades. Em 1991 e no ano seguinte, a azul e branco voltou aos desfiles no grupo de seleção. Em 1995, voltou a desfilar no Sambódromo paulistano, já no Grupo 2 da UESP.
 
Em 2003, a escola foi a campeã do Grupo de Acesso com o enredo “Abram alas para o Rei abacaxi” e garantindo, depois de 28 anos, o esperado retorno ao Grupo Especial de São Paulo.
 
O auge da agremiação veio em 2017. Cantando o enredo "Mãe África conta a sua história: do berço sagrado da humanidade à abençoada terra do grande Zimbábwe", a Tatuapé conquistou pela primeira vez o título na elite do Carnaval paulistano.