2 2 4

DIAS PARA O CARNAVAL!

Tom Maior

Ficha técnica

Fundação: 14/02/1973

Cores oficiais: Vermelho, amarelo e branco

Presidente: Luciana Silva

Carnavalesco: André Marins

Diretor de Bateria: Mestre Carlão

Primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira: Jairo Silva e Simone Gomes

Diretores de Harmonia: Yves Alexeiv e Gabriel Ferreira (Gabirú)

Rainha de Bateria: Pâmella Gomes

Madrinha da Escola: Andréia Gomes

Enredo de 2018: “O Brasil de duas Imperatrizes: De Viena para o novo mundo, Carolina Josefa Leopoldina; de Ramos, Imperatriz Leopoldinense”

Intérprete: Bruno Ribas

Melhor colocação no Grupo Especial: 5º lugar (2008)

Enredo 2018

Letra do Samba

O BRASIL DE SUAS IMPERATRIZES: DE VIENA PARA O MUNDO, CAROLINA JOSEFA LEOPOLDINA; DE RAMOS, IMPERATRIZ LEOPOLDINENSE

Pelos mares naveguei, de Viena para o novo mundo
E me encantei
Com o astro-rei, o meu sonho mais profundo
Ao som de violinos
Aliança então se fez
O luxo e a nobreza
Gentileza do Marquês
Na valsa a bailar, lindo cortejo a emocionar
O índio, a fauna e flora
A beleza em meu olhar
No Rio eu pude ver, o colorido Debret
Ao amor de Pedro me entreguei, me apaixonei

Libertei essa nação... Independência
Minha Pátria, mãe gentil... Meu Brasil
Chorou, na sonzala chorou
E o lamento do negro, ecoou

Nos trilhos de Ramos tornei-me importal
Notáveis desfiles do meu Carnaval
Simplesmente Rosa, um relicário de Glórias
Arlindo em fantasias a brilhar
É ela... Rainha da passarela
Vem da Leopoldina a mais bela
Celeiro de bambas, reduto do samba
"O meu sonho de ser feliz
Vem de lá sou Imperatriz"

Vem festeja, coroar essa paixão
Imperatriz num só coração
Meu carnaval, um sonho verdadeiro
Sou Tom Maior, me orgulho de ser brasileiro

 

Compositores: Maradona, Amós Turko, Rafa do Cavaco, José Ricardo, Leo Reis e Celsinho Mody

Nossa história

Embalada pelos versos de Martinho da Vila (“Vai ter de amar a liberdade, só vai cantar em tom maior, vai ter a felicidade de ver um Brasil melhor”), a Tom Maior nasceu em 14 de fevereiro de 1973. Em plena ditadura militar, era um grito de liberdade de sambistas, que apostavam na renovação do Carnaval, e de estudantes da Universidade de São Paulo (USP), que sonhavam com novos rumos políticos para o país.
 
Desde a fundação, a escola tem a diversidade como uma de suas marcas. Eram homens e mulheres, negros e brancos, jovens e sambistas experientes, liderados por Hélio Bagunça – dissidente da co-irmã Camisa Verde e Branco. O primeiro desfile foi em 1974, no Grupo 3 (hoje Grupo 1 da UESP). 
 
A falta de uma sede própria e os ensaios realizados nas ruas fizeram com que a Tom Maior mudasse de endereço diversas vezes. A origem foi no bairro do Sumaré mas, ao longo do tempo, a escola passou por Pinheiros, Vila Madalena, Sumarezinho, Cerqueira César, Bom Retiro e Piqueri, onde está atualmente.
 
Em 1976, a agremiação cantou “A Feira” e garantiu o vice-campeonato do Grupo de Acesso conquistando, assim, a sua primeira oportunidade no Grupo Especial do Carnaval de São Paulo. O melhor resultado até hoje foi o quinto lugar alcançado em 2008.
 
A Tom Maior é uma escola verdadeiramente popular, que faz parte da memória e da vida da cidade. É uma referência importante para os sambistas paulistanos, levando adiante as raízes destes ideais que, com certeza, têm contribuído para um Brasil melhor.

Últimas notícias Ver todas

Matérias Recomendadas